Sopa quentinha está no cardápio do “Brasil Sem Frestas” Curitiba

0

Além de esquentar a casa, o projeto “Brasil Sem Frestas” aquece o coração e o estômago das pessoas que necessitam de afeto e de caridade. A receita é um sopão bem nutritivo para dar energia, sobretudo às pessoas que vivem nas ruas em noites frias de Curitiba.

Um projeto maior

O Brasil Sem Frestas é um projeto maior que une o útil à caridade. A preservação da natureza e a filantropia. Além de reciclar caixas de leite vazias descartáveis, melhora as características térmicas das casas feitas ao improviso nas favelas e que normalmente são cheias de frestas, pelas quais passam vento e chuva.

“A ideia começou em Passo Fundo, com a Química, Maria Luiza Camozzato, que preocupada com a população mais pobre da cidade, encontrou nas embalagens cartonadas o material ideal para promover a vedação de casas de madeira.

As caixas de leite são compostas por seis camadas, segundo a Tetra Pak, empresa criadora desse tipo de envase. De fora para dentro, há uma camada de plástico, uma de papelão, outra camada de plástico, uma de alumínio e, por fim, mais duas folhas de plástico. Essas características tornam as caixinhas impermeáveis e fazem delas um ótimo isolante térmico”. Fonte: Gazeta do Povo 

Tania Ribas em Curitiba e seu grupo

Bastou a curitibana Tania Ribas saber disso para começar a colocar em prática na capital paranaense onde vive. Curitiba é também uma das cidades com um dos invernos mais rigorosos do Sul do Brasil. Todas as quinta-feiras Tania e suas voluntárias colocam mãos à obra e vão instalar as paredes (Tetra Pack) térmicas numa casa, previamente cadastrada e escolhida para fazer a vedação.

Um sábado por mês é também feito trabalho de campo. Todas as segundas-feiras ela e voluntários (as) se reúnem à tarde para confeccionar as paredes. Isto é, desmontar as caixas e costurar uma com a outra para que se formem painéis.

É um trabalho de formiguinha

Sim, é um trabalho de formiguinha, mas gratificante. “Precisa ver o estímulo de uma das moradoras quando vedamos todas as frestas de sua casinha. Quando fomos visitá-la de novo seu cantinho já estava mais iluminado, com novas peças que tinha conseguido por doações e falava toda animada de sua casa”, conta Nelmary Borges Constantino, uma das voluntárias.

Brasil Sem Frestas aceita doações e novos voluntários. Contatos podem ser feitos pelo Facebook ou telefone de Tania Ribas: 8449-5213

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Share.

About Author

Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma. Acredita nas palavras bem ditas ou 'benditas', ou seja, bem escritas, que educam, que seduzem pelos significados, pela emoção ao informar sobre a arte da vida que se manifesta nas relações afetivas, na criação artística, nos lugares, na natureza e na energia do Universo.

Leave A Reply

11 − três =